quinta-feira, 28 de outubro de 2010

IÇAMI TIBA

Palestra ministrada pelo médico psiquiatra Dr. Içami Tiba, em Curitiba, 23/07/09.




O palestrante é membro eleito do Board of Directors of the International Association of Group Psychotherapy. Conselheiro do Instituto Nacional de Capacitação e Educação para o Trabalho "Via de Acesso". Professor de cursos e workshops no Brasil e no Exterior.

Em pesquisa realizada em março de 2006, pelo IBOPE, entre os psicólogos do Conselho Federal de Psicologia, os entrevistados colocaram o Dr. Içami Tiba como terceiro autor de referência e admiração - o primeiro nacional.

• 1º- lugar: Sigmund Freud;

• 2º- lugar: Gustav Jung;

• 3º- Lugar: Içami Tiba



1. A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.

2. O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar com internet, som, tv, etc...

3. Educar significa punir as condutas derivadas de um

comportamento errôneo. Queimou índio pataxó, a pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados.

4. É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real.

Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.

5. Informação é diferente de conhecimento. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.
6. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar.

Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer?

A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa.

A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai determinar que não haverá um passeio, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinquente.

7. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer.

8. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado.

Tem que entender.

9. É preciso transmitir aos filhos a idéia de que temos de produzir o máximo que podemos. Isto porque na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio: não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.

10. As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é inconsequente.

11. A gravidez é um sucesso biológico e um fracasso sob o ponto de vista sexual.

12. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga .

A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da idéia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve 'abandoná-lo' .

13. A mãe é incompetente para 'abandonar' o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.

14. Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, deve o pai dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele se acalmar e aplicar o devido castigo.

15. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.

16. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.

17. Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.

18. Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.

19. Videogames são um perigo: os pais têm que explicar como é a realidade, mostrar que na vida real não existem 'vidas', e sim uma única vida. Não dá para morrer e reviver. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.

20. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.

21. Pais e mães não pode se valer do filho por uma inabilidade que eles tenham.

'Filho, digite isso aqui pra mim porque não sei lidar com o computador'. Pais têm que saber usar o Skype, pois no mundo em que a ligação é gratuita pelo Skype,é inconcebível pagarem para falar com o filho que mora longe.

22. O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando

alguém é educado achando-se o centro do universo.

23. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família

24. Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que mostrar qual é o consumo (KWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto isso (seus supostos luxos) incrementará o gasto final.

25. Dinheiro 'a rodo' para o filho é prejudicial. Mesmo que os pais o tenham, precisam controlar e ensinar a gastar.

Postado por Clarissa Oliveira às 13:30 0 comentários

Marcadores: içami

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade



Cientistas britânicos dizem ter encontrado, pela primeira vez, evidências da existência de uma raiz genética para a condição conhecida como Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

A equipe, da Cardiff University, no País de Gales, Grã-Bretanha, afirma em um artigo na revista científica "The Lancet" que a condição, que afeta crianças em todo o mundo, resulta de um problema no cérebro - como o autismo, por exemplo - e não de uma inabilidade dos pais em educar seus filhos.

Para ler mais sobre isso: http://news.psicologado.com/neurociencia/estudo-vincula-tdah-a-mutacao-genetica

Postado por Clarissa Oliveira às 10:04 0 comentários

Marcadores: TDAH

SÁBADO, 4 DE SETEMBRO DE 2010

Limites e disciplina na Família

Os pais poderiam exigir que os filhos praticassem em casa o que eles terão que fazer como cidadãos, principalmente disciplina, ética, solidariedade, responsabilidade e gratidão.

Os pais não poderiam permitir que os filhos fizessem em casa o que eles não poderão fazer na sociedade, principalmente falta de respeito a outras pessoas, desonestidade e piratarias, falta de disciplina, egoísmo e desperdícios.

Porque a cidadania familiar é a base da saúde moral.

(Içami Tiba)






domingo, 24 de outubro de 2010

ATITUDES QUE FAVORECEM O SUCESSO DE SEUS FILHOS

 

1. Fale sempre da escola, para criar em seu filho uma expectativa positiva em relação aos estudos.


2. Abrace-o e deseje-lhe coisas boas quando ele estiver de saída para a aula.

3. Na volta, procure saber como foi o dia dele, o que aprendeu e como se relacionou com todos.

4. Conheça o professor e converse com ele sobre as crianças e o trabalho dela na escola.

5. Em caso de notas baixas não espere ser chamado: vá à escola para saber o que esta acontecendo.

6. Mantenha uma relação de respeito, carinho e consideração com todos os professores.

7. Resolva diretamente os problemas entre você, seu filho e o professor e só recorra a outros em último caso.

8. Crie o hábito de observar os materiais escolares e ajude nas lições de casa.

9. Quando seu filho estiver com problemas, compartilhe-os com a escola sem omitir fatos nem julgar atitudes.

10. Comente com amigos e parentes os êxitos escolares dele, por menores que sejam, para reforçar a auto-estima e a autoconfiança do seu filho.

Antônio Carlos

MANDAMENTOS DA BOA CONVIVÊNCIA NO TRABALHO

Mandamentos da boa convivência





1- Lembre-se de que você é um ser social; você precisa dos outros e os outros precisam de você.

É a união que faz a força.

2- Controle as suas palavras, fale o necessário e em um tom de voz agradável.

3- Não magoe os outros com brincadeiras de mau gosto ou palavras ofensivas.

4- Não comente os defeitos alheios nem faça mexericos.

5- Tenha uma mente aberta para respeitar as opiniões dos outros e saiba discordar sem ofender.

6- Seja alegre e otimista. Irradie em volta de si um ambiente de bondade e confiança.

7- Mostre interesse por tudo que os outros fazem ou gostam. Alegra-se com os que estão alegres e dê seu apoio aos que estão em dificuldades.

8- Elogie os bons trabalhos, mesmo que não saiba quem os tenha feito.

9- Faça poucas promessas e cumpra-as.

10- Não seja mercenário a ponto de só fazer o bem a troco de recompensas.


concepção : tia ou professora?

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA

Laura Moreira Barboza


INTRODUÇÃO

Essa reflexão é fundamentalmente baseada na minha vivência como professora pré-escolar
na Escola Experimental Vera Cruz, em São Paulo.


EDUCAÇÃO INFANTIL: QUE PERÍODO É ESSE?

Trata-se de uma fase fundamental no desenvolvimento emocional e cognitivo da criança (e,
conseqüentemente, na vida do indivíduo de uma forma geral), que, não obstante, é
freqüentemente encarada como um período apenas preparatório para a escola "de verdade"
ou para o que de realmente importante está por vir.
Desta forma, é muito comum a desvalorização do profissional que trabalha com as
crianças desta faixa etária, generalizando-se a idéia de que se trata mais de uma relação
afetiva entre a "tia" e a criança, do que uma relação profissional. (Não estou aqui de
maneira nenhuma querendo retirar o "afetivo" de cena, mas a relação que eu estabeleço
com o meu trabalho é profissional. Sou professora e não "tia". Trabalho numa escola e não
numa escolinha).

A verdade é que, enquanto nós, profissionais que trabalhamos com crianças na faixa de
0 a seis anos, não acreditarmos profundamente na importância do nosso trabalho para
o hoje dessas crianças, esta desvalorização generalizada e esta mistura de papéis
continuarão a existir.



CARACTERIZAÇÃO DA CRIANÇA E A IMPORTÂNCIA DA DISCUSSÃO EM EQUIPE

Partindo-se da crença na importância dessa criança de três a seis anos, hoje, o passo
seguinte será a sua caracterização.

• Quem é ela?
• Como pensa?
• Como dimensiona o tempo?
• Como dimensiona o espaço?
• Como enxerga o mundo à sua volta?
• Como percebe as diferenças entre a escola e a sua casa?
• Como expressa essas constatações?
• Como expressa o seu mundo interior?
• Como interage em grupo?
• É bom para ela ser solicitada a ficar sozinha em alguns momentos de trabalho?

Conforme estas questões vão sendo levantadas, torna-se imperativa a troca entre as
pessoas que estão desenvolvendo o mesmo tipo de trabalho.
Nesses momentos de troca e reflexão, é que a equipe se aproxima do objeto centralizador
do trabalho - a criança - e os objetivos, metas, rumos e linhas por onde este trabalho será
conduzido começam a tomar corpo.
Antes de se conhecer a criança, não há sentido de se falarem objetivos; antes de se aferir
as descobertas pessoais de cada um com o resto da equipe, buscando apoio nas linhas
teóricas que melhor se adeguem àquela prática específica, não podemos pensarem
recursos.

O professor tem como papel principal, ser o mediador entre a criança e o objeto do seu
conhecimento. A ele cabe a tarefa de lançar a pergunta à qual a criança ainda não foi
exposta; instigar sua curiosidade das mais diferentes maneiras; definir uma ação
pedagógica que vá ao encontro de seu desenvolvimento.




RECURSOS PEDAGÓGICOS

Depois de feita a caracterização da criança e a discussão em equipe para a determinação
de metas, objetivos e rumos, deparamo-nos com a necessidade de buscarmos os recursos
pedagógicos que melhor se adeguem à nossa realidade específica.
Em existindo um grupo de crianças e um espaço adequado, isto é, um espaço onde elas
possam movimentar-se ou parar, acabamos constatando que o recurso pedagógico mais
importante é o professor.

Somos nós que, através do conhecimento a respeito dessas crianças e da clareza com
relação aos objetivos que temos em função delas, estaremos transformando qualquer
recurso disponível em um ótimo recurso pedagógico.
Do mesmo modo, a recíproca também é verdadeira: de que adianta termos acesso ao melhor
material do mundo, se não conhecermos a criança e não tivermos clareza com relação aos
nossos objetivos?

Os recursos pedagógicos nunca devem sobrepor-se à busca da própria criança. A pergunta que
ela nos faz é que deve nortear nossas escolhas com relação aos recursos.
Se um recurso é significativo para a criança, ele se torna bom; caso contrário, ele vira um
massacre.



CONCLUSÃO

É muito importante deixarmos as crianças à vontade, ao agirmos como mediadores entre ela e
o objeto do seu conhecimento.
Este "ficar á vontade" é caracterizado pela espontaneidade com que ela vai estar agindo dentro
do processo de construção do seu conhecimento.
Esta espontaneidade (e, às vezes, até uma imprevisibilidade) não nos deve assustar nem nos
desencorajar, pois, volto a frisar, se nossos objetivos estiverem claros e se conhecermos esta
afiança, teremos todas as condições de lidar com as situações que ocorrerem, e estaremos cada
vez mais próximos dessa criança, acompanhando com prazer o ato de construção do seu
conhecimento, hoje.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

ORIENTAÇÃO PARA AS SONDAGENS DOS ALUNOS

• A sondagem tem o objetivo de fazer um “zoom” sobre a estratégia e a aprendizagem real dos alunos. Ao mesmo tempo, relatar de modo claro, sem “pedagogês”, o processo e o produto provisório do trabalho realizado.

• Não é necessário que o relatório tenha um caráter “formal” ou “distante”. Pelo contrário, o professor pode colocar seu próprio estilo.

• Na formação falamos dos aspectos observáveis do trabalho realizado , assim como o texto sobre como descrever um aluno com termos mais adequados. Em casos de situações difíceis de descrever, este tipo de texto poderá ajudar.

• Abaixo colocaremos alguns pontos principais, como orientação, de modo que outros aspectos podem ser acrescentados, adaptados ou modificados caso haja necessidade.

• Resgatar as avaliações dos anos anteriores caso o aluno esteja em continuidade na escola e colocar avanços do primeiro semestre de 2010...



ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS

1- Caracterização da turma- Perfil geral da sala

Pode-se recorrer a primeira síntese realizada em março para verificar o que avançou. Entram neste perfil:

• Composição da turma, com a quantidade de alunos por idade, iniciantes ou em continuidade.

• Colocar peculiaridades da sala e também o modo de participação e envolvimento nas atividades, atividades que mais mobilizam as crianças. Lembrando que a participação em roda de conversa e brincadeiras são pontos muito importantes. Em classes com alunos de inclusão, como o grupo interage e como esta criança repercute na dinâmica da turma;

• Como se adaptam às regras, tempos e espaços. Interação social.

• Síntese curta dos principais pontos trabalhados até o momento, sem necessidade de divisão por área.



2- Percurso do aluno



• Neste ponto entram os aspectos singulares de cada criança.

Pontos relevantes que merecem ser colocados aos pais, evitando-se “rótulos” do tipo “agitado”, “agressivo”, mas descrevendo a criança de forma mais completa.

• Principais interesses

• Frequência regular ou irregular (total de faltas)

• Avanços ou características da interação social, na comunicação, na roda da conversa, em situações de brincadeiras em grupo, livre e simbólica

• Participação na dinâmica da sala, relação com as regras e combinados

• Em casos específicos, os encaminhamentos feitos a serviços diversos de saúde e orientação dadas aos pais, ou necessidades de intervenção e de auxílio por parte da família e da escola, para promover os avanços necessários.

• Outros pontos peculiares à criança, em que ela se destaca ou que necessita de maior atenção.

• Caso os pais não participem, sejam ausentes, colocar observação da necessidade de mais participação



3- O que observar quanto ao desenho



• O desenho é das expressões infantis mais importantes e originais. Por esta razão, não se deve ter um olhar classificatório sobre ele em relação à aproximação ou não do “real” ou “ideal”, mas sim valorizar os traços infantis com toda a sua riqueza e singularidade. O “produto provisório” deve ser sempre comparado ao processo anterior ou a outras produções da criança.

• Verificar se o ato de desenhar mobiliza e interessa a criança.

• No caso em que a figura não é identificável, a criança tem intenção desenhar ou experimenta as cores, importando-se mais com o movimento do material sobre o papel do que está sendo pedido.

• Observar se a criança repete sempre os mesmos elementos no desenho independentemente do que foi solicitado.

• A criança coloca empenho, cuida de detalhes.

• Suas ilustrações apresentam expressividade, estilo, riqueza de cores.

• Como a crianças usa o espaço da folha.

• Um ponto importante a destacar é quando a criança é capaz de representar movimento, tenta colocar perspectiva ou sobreposição ( o que está perto maior e embaixo e o que está longe menor e em cima), bem como a busca de proporção do corpo na figura humana e em outros elementos expressos no desenho.



4- O que observar quanto a Matemática

A avaliação de matemática visa observar como a criança controla e registra quantidades, neste momento usando o jogo. É importante esclarecer que se a criança está aprendendo a controlar e registrar quantidades, não há necessidade de solicitar a soma de duas jogadas. Neste caso, apenas uma folha em branco para que ela registre a sua jogada, de preferência com mais de oito garrafas. Quando a criança registra de modo eficiente, usando qualquer estratégia que seja, pode-se solicitar a soma. O desafio não pode ser impossível ou incompreensível para a criança. Enfim é uma descrição do que exatamente a criança faz para controlar e registrar quantidades. NÃO BASTA COLOCAR “FAZ CORRESPONDÊNCIA UM A UM” ou “ CONTROLA E REGISTRA ADEQUADAMENTE AS QUANTIDADES”. O mais importante é descrever “COMO”.

Observar qual estratégia a criança está usando:

• Numerais que representam unidades do mesmo modo que pauzinhos ou bolinhas.

• Correspondência um a um usando pauzinhos.

• Numerais que são desfeitos em pauzinhos na soma.

• Numeros que não representam quantidades, pois são reproduzidos no total, sem operar a soma.

• Ajuda dos dedos para somar.

• Uso de matérias concretos para somar. Necessidade de pegar as garrafas uma a uma e marcar.

• Muitas outras estratégias...



5- O que observar quanto a Leitura

É importante observar como a criança interage com os portadores de textos. No momento do empréstimo de livros escolhe o livro de acordo com qual aspecto: capa, cor, ilustração, a história, entre outros. Uma vez escolhido o livro, é interessante verificar:

• Se a crianças percebe pela forma o tipo de texto ali presente.

• Se posiciona e manuseia o livro adequadamente.

• Se expressa o conteúdo de acordo com o tipo de texto escolhido ou suposto (contos de fadas, relatos, receitas).

• Se ao ler aponta para as gravuras e narra uma história.

• Se nomeia as gravuras, sem uma sequência.

• Se usa linguagem típica do texto escrito ou se faz marcas da oralidade.



6- O que observar quanto a Escrita

As orientações abaixo referem-se apenas à avaliação, uma vez que todas as crianças devem no dia participar, dentro de suas possibilidades de todas as atividades (com nomes, textos que sabem de cor, títulos de histórias, etc.).

O importante é identificar o que a criança está realizando. Há diferentes objetivos nesta avaliação, de acordo com o que a criança pode produzir no momento.

Para as crianças que estão aprendendo a escrever o nome, podem ser usadas apenas o nome com crachá ou sem crachá e uma lista de palavras. No caso das crianças que já percebem que as letras não são aleatórias, mas fazem uma reflexão sobre qual letra usar, pode-se inserir o texto que sabe de cor. Para as crianças alfabetizadas, pode-se pedir um texto de recontagem e história, a observação é justamente a estratégia que a crianças usa para escrever e de que maneira percebe a escrita.

SUGESTÃO PARA PREENCHIMENTO DE RELATÓRIO DOS ALUNOS

Observações



É importante considerar, na construção do relatório os seguintes critérios:



• A avaliação deve ser sempre enfatizar os avanços e não apenas os fracassos. Registrar o que o aluno conseguiu e em que progrediu;

• Valorizar e registrar o desenvolvimento sócio-afetivo como: participação, solidariedade, posicionamento, sentimentos;

• É preciso registrar a participação do aluno nos projetos desenvolvidos no bimestre;

• Deve-se proceder relação com o registro anterior;

• Diversificar a redação de um aluno para o outro, buscando se fiel em suas colocações.



Sugestões para iniciar relatórios



• Com base nos objetivos trabalhados no bimestre, foi possível observar que o aluno...

• Observando diariamente o desempenho do aluno, foi constatado que neste bimestre...

• A partir das atividades apresentadas, o aluno demonstrou habilidades em...

• Com base na observação diária, foi possível constatar que o aluno...





Desenvolvimento cognitivo



• O aluno demonstra um ótimo aproveitamento na aquisição da leitura e escrita.

• O aluno apresenta bom desenvolvimento no processo de aquisição da leitura e da escrita.

• O aluno está desenvolvendo-se gradualmente no processo de aprendizagem da leitura e da escrita.

• Encontra-se em desenvolvimento no processo de aprendizagem da leitura e da escrita.

• Tem um bom desenvolvimento cognitivo, mas apresenta dificuldades na leitura, contudo com a realização da recuperação paralela tem apresentado avanços importantes.

• Lê com fluência qualquer tipo de texto, fazendo conexões com a realidade.

• Lê e interpreta os textos trabalhados em aula sem maiores dificuldades.

• Lê com alguma dificuldade, mas demonstra interesse e esforça-se em aprender.

• Escreve, ordena e amplia frases, formando textos coerentes e lógicos.

• Produz frases e pequenos textos com criatividade e entendimento.

• Constrói o conceito lógico-matemático, realizando cálculos com as quatro operações matemáticas.

• O aluno tem especial interesse nas atividades matemáticas.

• Realiza cálculos simples de adição e subtração.

• Realiza cálculos com auxilio de material concreto.

• É curioso, questiona e busca informações.

• Traz para a classe informações de fontes diversas como: radio, tv, jornais e etc.

• Compreende as relações existentes entre os elementos do meio ambiente.

• Compreende a importância da preservação do meio ambiente para o futuro do nosso planeta.

• Adota hábitos de cuidados com o corpo e com o ambiente.

• Nas atividades orais demonstra desenvoltura ...( ou inibição)

• Ocasionalmente troca letras

• Constrói frases criativas e elabora pequenos textos com linguagem e ilustrações significativas;

• Expressa o que pensa relatando, argumentando, avaliando, relacionando, ordenando, generalizando, concluindo...;

• Expressa a escrita representando idéias através de rabiscos, pseudo letras e outros símbolos

• Lê com fluência vários tipos de textos interpretando-os;

• Produz textos escritos com clareza, coerência e coesão;

• Identifica e escreve seu nome completo;

• Observa, descreve, analisa e sintetiza gravuras, reportagens e textos;

• Apresenta dificuldades ortográficas

• Identifica e escreve seu nome completo

• Ainda não faz relação entre o que fala e escreve





Participação- convívio social



• Participa com interesse e produtividade.

• Boa participação nas atividades realizadas em sala.

• Participação tímida nas atividades em sala, embora tenha bom relacionamento com os colegas em classe.

• Demonstra atitudes críticas diante de acontecimentos conflitantes.

• É criativo e comunicativo.

• Coopera com colegas e professora.

• O aluno demonstra interesse nas atividades propostas embora não tenha autonomia para realizá-las sem o apoio da professora.

• Ouve, reproduz e transmite textos oralmente como histórias, recados, noticias entre outros.

• Demonstra curiosidade em relação aos assuntos estudados.

• É cuidadoso e rápido na execução das atividades desenvolvidas.

• Aceita sugestões da professora e dos colegas.

• Manifesta suas opiniões com clareza e objetividade.

• Contribui para a integração e o crescimento do grupo;

• Demonstra inquietude e geralmente se envolve em questões referentes aos colegas;

• Ainda não aceita as regras convencionadas pelo grupo;

• Colabora na construção de regras;

• Interage com o grupo, ouvindo, respeitando e se posicionando;

• Tem um bom relacionamento com os colegas e mostra-se sempre pronto em ajudar;



“Todas as maravilhas que você precisa estão dentro de você.”

(Sir Thomas Browne)

• Reconhece as relações entre fala e escrita;

• Explora várias formas de linguagens e diferentes tipos de suporte textual para ampliação de informações;

• Ouve historias e comentários valorizando impressões afetivas;

• Lê e escreve textos desenvolvendo a compreensão do sistema alfabético, utilizando a escrita de acordo com as concepções e hipóteses que possui no momento;

• Produz textos individuais e coletivamente, utilizando gestos, desenhos, sons movimentos e palavras;

• Distingue a língua escrita da língua oral;

• Demonstra compreensão do sistema alfabético;

• Lê silabicamente palavras, formadas por grupo de silabas compostas por vogal e consoante;

• Produz frases com lógica;

• Produz pequenos textos sem preocupação ortográfica;

• Distingue letras na linguagem oral e escrita;

• Encontra-se na fase pré-silabica, começando a diferenciar letras de números, desenhos ou símbolos.

• Percebe que as letras são para escrever porem ainda não sabe como isso se processa;



Sugestão para preenchimento de relatórios

PARECER DESCRITIVO



1. ÁREA SÓCIO-AFETIVA



Comentar sobre o período de adaptação: Com quem ficou no primeiro dia? Como ficou? Como evoluiu? Mostra dependências? Usa apoio de objetos? Toma mamadeira, chupa bico?



Relacionamento: com a professora, colegas e funcionários. Participa de atividades propostas pelo professor?



Funcionamento no grupo: É aceita? Rejeitada? Isola-se? Lidera? É agressiva? Demonstra preferência por colegas? Coopera com o grupo? É capaz de ouvir os outros? Tem cacoetes?



Tolerância às frustrações: perder e ganhar, acertar e errar.



Controle esfincteriano resolvido?



Brinquedo: com o que prefere brincar na sala e no pato? Como brinca (sozinho, com o grupo em pequenos grupos, com companheiro)?



Autonomia: Está organizado na rotina? Aceita regras, cumpre combinações? Espera a decisão dos outros para tomar a sua? Tem condições de escolher e recusar-se ao que não quer? Envolve-se em conflitos? Como os resolve? Encontra suas próprias respostas? Explica seus pensamentos?



2. ÁREA PSICOMOTORA



Esquema corporal: domínio e conhecimento de seu corpo, imagem corporal. Lateralidade.



Motricidade ampla: ritmo de ação – rápido, lento, acompanha o grupo, não consegue parar, precisa de estimulação, tem freio inibitório. Desempenho com bolas, cordas, rodas cantadas, movimentos.



Coordenação motora: rola sobre o corpo, engatinha, vira cambalhota, sobe e desce escadas, pula.



Motricidade fina/visomotricidade: coordenação – abotoa, dá nós, faz laços. Preensão do lápis. Colore dentro de limites. Enfia contas, amassa papeis. Modelar, rasgar, amassar, picar, alinhavar, recortar. Manusear talheres. Acerta alvos, copia figuras.



3. ÁREA COGNITIVA



a) Desenvolvimento da linguagem compreensiva e expressiva:

Comunica-se com clareza, expressando de modo organizado seu pensamento? Tem vocabulário adequado à idade? Compreende comunicações verbais? Quando fala, gagueja ou troca letras? Quando relata fatos, fala muito rápido, muito devagar? Relata em seqüência? Relata sempre os mesmos fatos, coisas imaginárias? Assopra balão, velas e assovia? É expressivo ao falar? Manifesta suas emoções?



b) Construção da representação:

1. Gráfica: descrever o desenho da criança, caracterizando a etapa em que se encontra (garatuja, garatuja ordenada, representação completa ou incompleta da figura humana, etc).

2. Escrita:

Mostra interesse por escrita? Observa livros? Representa letras e números? Escreve seu nome? Identifica nomes de colegas escritos? Em que etapa da alfabetização se encontra (pré-silábica, silábica, silábica-alfabética, alfabética)?



c) Expressão através de artes plásticas, danças e dramatização:

É mais expressivo em alguma dessas formas? É criativa? Apresenta soluções originais? Usa recursos variados? É inibida? Prefere papéis sem destaque? Brinca de faz de conta?



d) Desenvolvimento perceptivo:

Visão, audição, tato, olfato e paladar.



e) Atenção:

Condições de atenção e concentração em brincadeiras e atividades, condições de perseverar na tarefa.



f) Memória:

Condições de memorização de canções, versos e brincadeiras.

Observações sobre memória visual e auditiva.



g) Experiências lógico-matemáticas:

Noções de espaço-tempo, conservação de quantidades, de seriação e classificação.

Identifica propriedades, atributos de cor, forma, etc.

Encontra soluções para resoluções de problemas?

Reconhece numerais?

Relaciona número e quantidade?


- OUTRAS OBSERVAÇÕES, COMO BRINCADEIRAS PREFERIDAS, DESEMPENHO NAS AULAS EXTRAS, ETC.


- ENCERRAMENTO: SUGESTÕES DE ATIVIDADES QUE A FAMÍLIA POSSA DESEMPENHAR COM A CÇA EM CASA, NAS FÉRIAS, ETC.

MENSAGEM: A CANOA

A Canoa




Em um largo rio, de difícil travessia, havia um barqueiro que atravessava as pessoas de um lado para outro.

Em uma das viagens, iam um advogado e uma professora.

Como quem gosta de falar muito, o advogado pergunta ao barqueiro:

- Companheiro, você entende de leis?

- Não – Responde o barqueiro.

E o advogado compadecido:

- É pena, você perdeu metade da vida!

A professora muito social entra na conversa:

Seu barqueiro sabe ler e escrever?

Também não – Responde o remador.

- Que pena! – Condói-se a mestra!

– Você perdeu metade da vida!

Nisso chega uma onda bastante forte e vira o barco.

O canoeiro preocupado, pergunta:

- Vocês sabem nadar?

-Não! – Respondem eles rapidamente.

- Então é uma pena – Concluiu o barqueiro

– Vocês perderam toda a sua vida!”



"Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes!"



Paulo Freire

CRIANÇAS DE 4 ANOS

(Re)conhecendo as crianças de 4 anos e laborando a rotina.


Ouvimos muitas vezes as pessoas a dizerem “essa criança está muito desenvolvida para a sua idade”, mas nem sempre é claro o que isso significa. Conforme as idades, o seu desenvolvimento físico, motor, cognitivo, emocional e social permitem à criança conquistar determinadas metas que são normais e esperadas. Conheça qual o desenvolvimento típico de uma criança de 4 anos.

Desenvolvimento físico

• Pesa entre 13 e 23 quilos

• Mede entre 93cm e 1m17cm

• Necessita de dormir entre 10 e 12 horas todas as noites

Desenvolvimento motor

• Veste e calça-se sem necessitar de muita ajuda

• Come sozinha, já sabe usar bem o garfo, faca e colher

• Penteia o cabelo e lava os dentes sozinha

• Consegue andar em linha reta de forma direita

• Corre e salta sobre e em torno de obstáculos com facilidade

• Sobe e desce sem grande dificuldade

• Salta bem sobre um pé apenas

• Apanha, atira e dribla bem uma bola

• Já anda bem de triciclo

• Consegue empilhar objetos sem dificuldade

• Cria formas e objetos com recurso a plasticina

• Segura bem num lápis e faz desenhos legíveis

• Já sabe usar uma tesoura infantil

Desenvolvimento cognitivo

• Fala fluentemente, com frases muito completas

• Adora inventar palavras, cantar canções e rimas

• Gosta de conversar, ter longas conversas

• Já conhece muitas letras do alfabeto e até algumas palavras mais familiares

• Pode já saber escrever o seu próprio nome

• Já sabe dizer o nome completo, onde mora e o número de telefone

• Faz muitas perguntas

• Responde facilmente às perguntas que lhe são feitas

• Percebe e recorde-se bem dos seus feitos/sucessos

• Já sabe distinguir entre ontem, hoje e amanhã

• Percebe bem a rotina diária e o que sucede a quê

• Consegue atender a um pedido com 2 ou 3 ações distintas

• Já percebe os conceitos relacionados com: quantidades, tamanhos, pesos, medidas, texturas, cores, distâncias, tempo e posições

• A sua capacidade de atenção é maior, consegue concentrar-se na mesma atividade durante 10 a 15 minutos

• Consegue ordenar objetos do mais baixo para o mais alto, do mais pequeno para o maior

• Conta até 7 objetos em voz alta, embora nem sempre na ordem correta

• Já sabe entre 6 e 8 cores

• Reconhece cerca de 3 formas diferentes

Desenvolvimento emocional

• Ainda tem dificuldade em separar a realidade da fantasia

• É muito entusiasta, tem sempre muita pressa em tudo

• Tem uma imaginação muito vívida

• Pode mentir para se proteger mas ainda não percebe o que é uma mentira

• Capacidade de sentir ciúme

• É mais cooperante

• Gosta de se exibir a si própria e às suas coisas

• Tem mais confiança

• Começa a perceber o que é o perigo

• Pode ter medo de muitas coisas, inclusive do escuro e dos “monstros”

• Ainda tem birras, normalmente em relação a pequenas coisas

• Capacidade de sentir raiva e frustração, principalmente quando algo não está a correr como quer

• Passa a exprimir o seu descontentamento/raiva mais verbalmente do que fisicamente

• Por vezes ainda é agressiva e/ou violenta

• Já sabe fazer ameaças

Desenvolvimento social

• Está mais independente em relação aos adultos

• Gosta de obter a aprovação dos adultos

• Gosta de brincar com outras crianças, nomeadamente com aquelas que têm a mesma idade

• Já consegue brincar em grupo

• Embora goste de brincar com crianças de ambos os sexos, já tem uma maior preferência por brincar com crianças do mesmo sexo que o seu

• Já sabe partilhar com as outras crianças e fá-lo na maioria das vezes

• Por vezes pode querer ser o líder

• Gosta de alterar as regras da brincadeira à medida que se brinca

• Pode chamar nomes às outras crianças, fazer queixa das mesmas aos adultos

• Pode ter um ou mais amigos imaginários

• Gosta de contar histórias e anedotas – muitas vezes sem nexo – aos adultos

• Está constantemente a perguntar porquê

• Gosta de chocar os outros – crianças e adultos – ao usar palavrões e outras palavras proibidas

• Quando brinca gosta de imitar os pais, normalmente o do mesmo sexo

• Adora brincar às personagens: professora, dona do café, dono da loja, bombeiro, polícia…



A ROTINA como auxiliar na educação das crianças

Lilian de Oliveira Costa

Diretora Pedagógica da Escola Visconde de Sabugosa

É na Educação Infantil que a criança forma hábitos que levará pela vida inteira. Para auxiliá-las na formação de hábitos e na construção de conhecimentos, a rotina é de fundamental importância.

Entretanto, a mesma não pode ser vista como maçante tediosa, e sim como organizadora do tempo e espaço,

proporcionando às crianças uma sensação de segurança. Devemos estabelecer uma rotina para a criança não só na

escola, mas também em casa. A criança que tem uma sequência de atividades no seu dia-a-dia é mais tranqüila e

mais consciente de suas atribuições.

Organizar a rotina de uma criança pressupõe pensar numa sequência de atividades diárias em casa e na escola,

que sejam importantes para o seu desenvolvimento. Para isso, devem ser levadas em consideração as necessidades

da criança e do grupo, no caso da rotina escolar. As atividades de uma rotina devem ter a participação das

crianças, para que elas entendam sua real necessidade e tornem-se parte integrante dessa organização, entendendo- a melhor e, por consequência, cumprindo-a. Perceber as características predominantes da criança e do grupo são tarefas essenciais antes de se estabelecer uma rotina. O ritmo da turma indicará o tipo e o horário das atividades.

O professor deve levar em consideração a idade das crianças, as preferências de brincadeiras, os espaços preferidos, o que lhes chamam mais atenção, em que parte do dia elas estão mais tranqüilas e mais agitadas, dentre outras observações. Conciliar a rotina com a programação curricular e os objetivos que se pretende atingir é algo que o professor deve saber administrar. Na escola, o grupo diverge em gostos e opiniões. Por isso, é importante manter uma negociação democrática e justa. Em alguns casos o professor pode oferecer alternativas às crianças no que diz respeito à forma de executar as atividades, desde que seus objetivos não sejam comprometidos. Em casa não é diferente. A criança sabe que o leite é importante para a sua saúde, mas pode escolher se quer o leite com achocolatado, o iogurte ou o queijinho. As negociações e opções de escolha são importantes para integrá as crianças na estruturação da rotina, tornando-as mais responsáveis por suas decisões. Desta maneira, conseguimos estruturar a rotina das crianças, da família e da sala de aula. Uma vez determinada a rotina, é importante que tenhamos persistência em cumpri-la para que ela se valide, mas não de forma rígida e inflexível. Imprevistos acontecem, interesses mudam e necessidades também.

A proposta pedagógica de algumas escolas faz com que as construções sejam estabelecidas pelas crianças, com a intervenção do professor. Por isso, ao chegarem na escola, as crianças se reúnem para a primeira roda, que é a mais importante do dia. Nela, as crianças se cumprimentam, desejam-se boas vindas por meio de músicas, comentam o para casa feito e, por fim, montam juntos a rotina do dia. A rotina tem seu lugar no planejamento de cada turma, mudando apenas a forma de fazê-la. Ora com apoio de desenhos, fotos ou gravuras, ora escrita e ora com objetos que remetem à atividade em específico. O importante é que essa rotina realmente sirva de apoio para as crianças, orientando-as quanto à sequência de atividades e o tempo para concluí-las. A participação da criança

na montagem da rotina é fundamental. Se, por exemplo, elas sugerem faz-de-conta e a atividade já foi dada duas vezes na semana, a professora pode negociar com a turma, programando um outro dia e explicar que outras atividades são importantes para a turma, dando a oportunidade delas participarem na escolha das mesmas. Ao negociar com o grupo, a professora consegue a compreensão das crianças, que certamente cobrarão o combinado.



ROTINA FLEXÍVEL E JUSTIFICADA

Pode acontecer de determinada atividade ser cancelada. Nesse caso, é importante sentar com a turma e explicar o motivo do seu cancelamento, buscando sugestões sobre que fazer como alternativa. Se, por exemplo, foi programada uma excursão ao Parque das Mangabeiras mas amanheceu chovendo, algumas crianças sugerem que levemos guarda-chuva, outras, que usemos capas. Assim, com conversas e negociações, acabamos remarcando o passeio para outro dia. A participação do grupo e o respeito com os membros é condição fundamental para o sucesso da rotina.



A ROTINA COMO RECURSO DE AVALIAÇÃO E CRESCIMENTO

Ao final de cada trabalho executado, é importante que este seja avaliado. Algumas turmas verbalizam o que acharam de cada tarefa, outras se manifestam simbolicamente. O interessante é que, ao avaliarem o trabalho ou atividade, as crianças conseguem perceber o que deve ou não ser melhorado. Quando avaliam um trabalho de pintura, por exemplo, as crianças admitem que misturaram os pincéis sujando as tintas dos potinhos e, assim, se comprometem a ficarem mais atentas da próxima vez.

Exemplos de atividades de rotina

Atividades de organização coletiva

Atividades de cuidado pessoal

Atividades dirigidas

Atividades livres (menos dirigidas pelo professor).



1 - Chegada com canção

2 - Organização dos materiais individuais

3 - Preenchimento de cartazes como quantidade de alunos presentes e ausentes, ajudantes do dia, chamada com cartões de nomes dos alunos...

4 - Conversa sobre algum assunto a ser tratado,..., roda de conversa

5 - Atividade de registro (áreas do conhecimento)

6 - Parque ou brincadeira ou fantasia ou jogo (algo de movimento e corporal)

7 - Higiene pessoal (lavar mãos...)

8 - Lanche/Escovação

9 - Roda de História Infantil

10 - Massinha

11 - ou outra atividade de registro

É importante todos os dias haver músicas cantadas, roda de conversa e/ou história, higiene, registros gráficos e atividades de movimento.



Eu, nós e todo mundo na escola

Faixa etária

0 a 3 anos

Conteúdo

Identidade e autonomia

Introdução

A construção da identidade se dá por meio das interações da criança com o seu meio social. A escola de Educação Infantil é um universo social diferente do da família, favorecendo novas interações, ampliando desta maneira seus conhecimentos a respeito de si e dos outros. A auto-imagem também é construída a partir das relações estabelecidas nos grupos em que a criança convive. Um ambiente farto em interações, que acolha as particularidades de cada indivíduo, promova o reconhecimento das diversidades, aceitando-as e respeitando-as, ao mesmo tempo que contribui para a construção da unidade coletiva, favorece a estruturação da identidade, bem como de uma auto imagem positiva.



Tendo em vista estes propósitos, a utilização de fotos pode ser amplamente aproveitada pelo professor de educação infantil. Este recurso visual promove situações de interação, reconhecimento e construção da auto-imagem, favorece as trocas e a percepção do outro e, das igualdades e diferenças, e consequentemente, de si.



Objetivos

- Interagir e relacionar-se por meio de fotos.

- Perceber-se a si e ao outro, as igualdades e diferenças, mediante as interações estabelecidas.

-Sentir-se valorizado e reconhecido enquanto indivíduo.

-Enxergar-se a si próprio como parte de um grupo, de uma unidade complexa.



Tempo estimado

Um a dois meses.

Esta seqüência didática foi traçada considerando as necessidades das crianças de se reconhecerem no grupo no início do ano letivo. Desta forma, foram pensadas atividades numa sequência, que pode ser alterada conforme as necessidades e interesses de cada grupo. Depois desta sequênica inicial é interessante que algumas atividades ocorram diariamente no decorrer do ano, como a elaboração da rotina e a elaboração do quadro de presença.



Material necessário

- Fotos das crianças sozinhas, com seus familiares, com seu brinquedo preferido, e outras, realizando atividades que gosta sozinhas e junto de seus colegas na escola.

- Caixinhas de sapato infantil para servir de caixinhas surpresa. Podem ser pintadas, ou forradas.

- Papel craft para fazer cartazes de pregas.

- Papel cartão colorido e cola para confeccionar os cartazes com janelinhas.

- Fita adesiva.



Desenvolvimento das atividades



Sequência 1 : eu, eu e eu

1. Numa roda, distribuir caixinhas supresa para as crianças com suas respectivas fotos dentro, de forma que abram e encontrem a sua imagem.

2. Distribuir as fotos e ajudar as crianças a cola-las sobre os cabides, onde ficam penduradas suas sacolas. Deixar as fotos sempre no mesmo lugar para que as crianças saibam o lugar destinado a ela guardar seus pertences. (Pode-se também fazer um mural de bolsos e, com ajuda das crianças, colar suas fotos, uma em cada bolso).

3. Fazer um cartaz de pregas representando a escola e outro representando a casa. Disponibilizar as fotos das crianças numa caixa que fique disponível a elas no início do dia. Deixe que olhem as fotos, encontrem as suas próprias e ensine-as a colocar no cartaz referente à escola.

4. Numa roda, sortear uma foto por vez para que o grupo identifique quem éIncentivar as crianças a nomear e a relacionar foto e colega. . Também podem cantar alguma canção simples, que diga os nomes das crianças neste momento, como Bom dia Mariana, com vai? Bom dia Mariana, como vai? Bom dia, Mariana, bom dia Mariana, bom dia, Mariana, como vai?. Cada um leva a sua foto ao cartaz da escola.

5. Espalhar fotos pelo espaço e brincar com as crianças de encontrar. Pode cantar uma canção simples como: Cadê o Léo, cadê o Léo, o Léo onde é que está? Cada um leva a sua foto ao cartaz da escola.

6. Fazer um cartaz com xerox repetidos e misturados das fotos de todas as crianças. Brincar com as crianças de cada uma encontrar as suas próprias fotos entre as demais.



Sequência 2: eu, tu, eles

1. Preparar um pequeno cartaz com janelinhas que abrem e fecham, uma sobre a outra, para cada criança (uma coluna, com espaço para quatro ou cinco fotos). Na janelinha de cima, colocar a foto da criança e fechar, de forma que a foto fiue escondida. Sugerir às crianças que abram as janelinhas e encontrem qual é o seu cartaz.

2. Nas caixinhas surpresas colocar as fotos das crianças com seus familiares. Distribui-las entre as crianças aleatoriamente. Deixar que abram e sugerir que descubram de quem é a foto que encontraram. Cada um entrega a foto que encontrou para o seu dono. O dono da foto cola-a, com ajuda do professor, no seu cartaz de janelinhas.

3. Em roda, cada criança mostra a foto do seu brinquedo preferido para o grupo e, com ajuda do professor, conta o que é e como brinca com ele. Depois, colam na janelinha seguinte de seu cartaz.

4. Repetir a atividade acima quantas vezes quiser, acrescentando fotos de outras coisas significativas do universo familiar de cada criança (foto do quarto, do animal de estimação etc.)



Sequência 3: nós e todo mundo

1. Com os cartazes, montar um biombo para sala, ou um grande mural, ao qual as crianças terão acesso livre para verificar as fotos de suas janelinhas e as de seus colegas.

2. Tirar fotos das crianças na escola, em suas atividades cotidianas, em pequenos ou em grandes grupos. Montar um móbile na altura das crianças para enfeitar um canto da sala.

3. Entre algumas fotos tiradas na escola, selecionar as mais ilustrativas das atividades que acontecem diariamente para confeccionar um quadro de rotina do grupo.

4. Todos os dias montar a rotina, sequenciando as atividades representadas pelas fotos, com ajuda das crianças.

Quer saber mais?

Bibliografia

As cem linguagens da criança, Carolyn Edwards, ARTMED

Aprender e ensinar na Educação Infantil, Eulália Bassedas, ARTMED

Referencial Nacional para a Educação Infantil, MEC, 1998.

Orientações Curriculares: Expectativas de Aprendizagem e Orientações Didáticas para a Educação Infantil, PMSP - SME/ DOT, 2007.



A ROTINA como auxiliar na educação das crianças

Lilian de Oliveira Costa

Diretora Pedagógica da Escola Visconde de Sabugosa

É na Educação Infantil que a criança forma hábitos que levará pela vida inteira. Para auxiliá-las na formação de hábitos e na construção de conhecimentos, a rotina é de fundamental importância.

Entretanto, a mesma não pode ser vista como maçante tediosa, e sim como organizadora do tempo e espaço,

proporcionando às crianças uma sensação de segurança. Devemos estabelecer uma rotina para a criança não só na

escola, mas também em casa. A criança que tem uma sequência de atividades no seu dia-a-dia é mais tranqüila e

mais consciente de suas atribuições.

Organizar a rotina de uma criança pressupõe pensar numa sequência de atividades diárias em casa e na escola,

que sejam importantes para o seu desenvolvimento. Para isso, devem ser levadas em consideração as necessidades

da criança e do grupo, no caso da rotina escolar. As atividades de uma rotina devem ter a participação das

crianças, para que elas entendam sua real necessidade e tornem-se parte integrante dessa organização, entendendo- a melhor e, por consequência, cumprindo-a. Perceber as características predominantes da criança e do grupo são tarefas essenciais antes de se estabelecer uma rotina. O ritmo da turma indicará o tipo e o horário das atividades.

O professor deve levar em consideração a idade das crianças, as preferências de brincadeiras, os espaços preferidos, o que lhes chamam mais atenção, em que parte do dia elas estão mais tranqüilas e mais agitadas, dentre outras observações. Conciliar a rotina com a programação curricular e os objetivos que se pretende atingir é algo que o professor deve saber administrar. Na escola, o grupo diverge em gostos e opiniões. Por isso, é importante manter uma negociação democrática e justa. Em alguns casos o professor pode oferecer alternativas às crianças no que diz respeito à forma de executar as atividades, desde que seus objetivos não sejam comprometidos. Em casa não é diferente. A criança sabe que o leite é importante para a sua saúde, mas pode escolher se quer o leite com achocolatado, o iogurte ou o queijinho. As negociações e opções de escolha são importantes para integrá as crianças na estruturação da rotina, tornando-as mais responsáveis por suas decisões. Desta maneira, conseguimos estruturar a rotina das crianças, da família e da sala de aula. Uma vez determinada a rotina, é importante que tenhamos persistência em cumpri-la para que ela se valide, mas não de forma rígida e inflexível. Imprevistos acontecem, interesses mudam e necessidades também.

A proposta pedagógica de algumas escolas faz com que as construções sejam estabelecidas pelas crianças, com a intervenção do professor. Por isso, ao chegarem na escola, as crianças se reúnem para a primeira roda, que é a mais importante do dia. Nela, as crianças se cumprimentam, desejam-se boas vindas por meio de músicas, comentam o para casa feito e, por fim, montam juntos a rotina do dia. A rotina tem seu lugar no planejamento de cada turma, mudando apenas a forma de fazê-la. Ora com apoio de desenhos, fotos ou gravuras, ora escrita e ora com objetos que remetem à atividade em específico. O importante é que essa rotina realmente sirva de apoio para as crianças, orientando-as quanto à sequência de atividades e o tempo para concluí-las. A participação da criança

na montagem da rotina é fundamental. Se, por exemplo, elas sugerem faz-de-conta e a atividade já foi dada duas vezes na semana, a professora pode negociar com a turma, programando um outro dia e explicar que outras atividades são importantes para a turma, dando a oportunidade delas participarem na escolha das mesmas. Ao negociar com o grupo, a professora consegue a compreensão das crianças, que certamente cobrarão o combinado.

ROTINA FLEXÍVEL E JUSTIFICADA

Pode acontecer de determinada atividade ser cancelada. Nesse caso, é importante sentar com a turma e explicar o motivo do seu cancelamento, buscando sugestões sobre que fazer como alternativa. Se, por exemplo, foi programada uma excursão ao Parque das Mangabeiras mas amanheceu chovendo, algumas crianças sugerem que levemos guarda-chuva, outras, que usemos capas. Assim, com conversas e negociações, acabamos remarcando o passeio para outro dia. A participação do grupo e o respeito com os membros é condição fundamental para o sucesso da rotina.

A ROTINA COMO RECURSO DE AVALIAÇÃO E CRESCIMENTO

Ao final de cada trabalho executado, é importante que este seja avaliado. Algumas turmas verbalizam o que acharam de cada tarefa, outras se manifestam simbolicamente. O interessante é que, ao avaliarem o trabalho ou atividade, as crianças conseguem perceber o que deve ou não ser melhorado. Quando avaliam um trabalho de pintura, por exemplo, as crianças admitem que misturaram os pincéis sujando as tintas dos potinhos e, assim, se comprometem a ficarem mais atentas da próxima vez.



Mensagem: O açogueiro e o cão

"Um açougueiro estava em sua loja e ficou surpreso


quando um cachorro entrou.

Ele espantou o cachorro,

mas logo o cãozinho voltou.

Novamente ele tentou espantá-lo,

foi quando viu que

o animal trazia um bilhete na boca.

Ele pegou o bilhete e leu:

- Pode me mandar 12 salsichas e uma perna de carneiro, por favor.

Assinado.... Ele olhou e viu que dentro da boca do cachorro havia uma nota de 50 Reais. Então ele pegou o dinheiro, separou as salsichas e a perna de carneiro,colocou numa embalagem plástica, junto com o troco, e pôs na boca do cachorro.

O açougueiro ficou impressionado e como já era

mesmo hora de fechar o açougue, ele decidiu seguir o animal. O cachorro desceu a rua, quando chegou ao

cruzamento deixou a bolsa no chão, pulou e apertou o botão para fechar o sinal. Esperou pacientemente com o saco na boca até que o sinal fechasse e ele pudesse atravessar a rua.

O açougueiro e o cão foram caminhando pela rua, até que o cão parou em uma casa e pôs as compras na calçada. Então, voltou um pouco, correu e se atirou contra a porta. Tornou a fazer isso. Ninguém respondeu na casa. Então, o cachorro circundou a casa, pulou um muro baixo, foi até a janela e começou a bater com a cabeça no vidro várias vezes.

Depois disso, caminhou de volta para a porta, e foi quando alguém abriu a porta e começou a bater no cachorro.

O açougueiro correu até esta pessoa e o impediu, dizendo:

-'Por Deus do céu,o que você está fazendo?

O seu cão é um gênio!'

A pessoa respondeu:

- 'Um gênio?

Esta já é a segunda vez esta semana que este estúpido ESQUECE a chave!!!'



Moral da História:

' Você pode continuar excedendo às expectativas, mas para os olhos de alguns, você estará sempre abaixo do esperado'.

Qualquer um pode suportar a adversidade, mas se quiser testar o caráter de alguém, dê-lhe o poder.

Se algum dia alguém lhe disser que seu trabalho não

é o de um profissional, lembre-se:

Amadores construíram a Arca de Noé e profissionais, o Titanic.

Quem conhece os outros é inteligente.

Quem conhece a si mesmo é iluminado.

Quem vence os outros é forte.

Quem vence a si mesmo é invencível!!



terça-feira, 12 de outubro de 2010

MENSAGENS

Querido Mestre


Trago-te um recado de muita gente.

Houve gente que praticou uma boa ação,

Manda dizer-te que foi porque

Teu exemplo convenceu.

Houve alguém que venceu na vida,

E manda dizer-te que foi porque

Tuas lições permaneceram

E houve mais alguém que superou a dor,

E manda dizer-te que foi a lembrança

De tua coragem que ajudou.

Por isso que és importante…

O teu trabalho é o mais nobre,

De ti nasce a razão e o progresso.

A união e a harmonia de um povo!

E agora… Sorria!!

Esqueça o cansaço e a preocupação,

Porque há muita gente pedindo a Deus

Para que você seja muito Feliz!!!



Parabéns pelo seu dia!!!!

(autor desconhecido)

O VALOR DE SER EDUCADOR



Ser transmissor de verdades,

De inverdades...

Ser cultivador de amor,

De amizades.



Ser convicto de acertos,

De erros.

Ser construtor de seres,

De vidas.

Ser edificador.

Movido por impulsos, por razão, por emoção.

De sentimentos profundos,

Que carrega no peito o orgulho de educar.

Que armazena o conhecer,

Que guarda no coração, o pesar

De valores essenciais

Para a felicidade dos “seus”.

Ser conquistador de almas.

Ser lutador,

Que enfrenta agruras,

Mas prossegue, vai adiante realizando sonhos,

Buscando se auto-realizar,

Atingir sua plenitude humana.

Possuidor de potencialidades.

Da fraqueza, sempre surge a força

Fazendo-o guerreiro.

Ser de incalculável sabedoria,

Pois “o valor da sabedoria é melhor que o de rubis”.

É...

Esse é o valor de ser educador.

Maria Darismar Duarte Henes Cortes

Ser professor é...



Ser professor é professar a fé e a certeza de

que tudo terá valido a pena se o aluno sentir-se feliz

pelo que aprendeu com você e pelo que ele lhe ensinou...

Ser professor é consumir horas e horas pensando

em cada detalhe daquela aula que, mesmo ocorrendo

todos os dias, a cada dia é única e original...

Ser professor é entrar cansado numa sala de aula e,

diante da reação da turma, transformar o cansaço

numa aventura maravilhosa de ensinar e aprender...

Ser professor é importar-se com o outro numa

dimensão de quem cultiva uma planta muito rara que

necessita de atenção, amor e cuidado.

Ser professor é ter a capacidade de "sair de cena,

sem sair do espetáculo".

Ser professor é apontar caminhos, mas deixar que

o aluno caminhe com seus próprios pés...

Feliz dia dos Professores!


Professor(a)!



Não sei o que combina mais contigo,

Uma poesia, um livro, uma pintura,

Sinceramente fico pensando

No que deve dar alegria

A alguém que é objeto da alegria de tantos.

Na verdade, o professor de verdade,

É aquele que prefere dividir o que possui,

Do que ter somente para si.

O verdadeiro mestre, sente-se feliz

Quando percebe que o caminho que

Ele abriu tem sido trilhado por muitos.

O mestre tem a sua realização no aprendizado

Do pupilo, da passagem da experiência.

É por isso que meras palavras

Não podem recompensar

A alguém que optou por esta carreira

Que muitas vezes é dolorosa e cheia de espinhos.

Chamo-te somente mestre, abnegado coração

Que se sensibiliza com os olhos sedentos

Por uma vida menos escura, mas cheia de luz.

E essa luz, está em suas mãos,

Em seu coração, em seu olhar.

Que bom que existe um dia

Reservado só para você!

Obrigado por sua obstinação incontida,

Pois graças a ela, você nunca desiste.

Você é muito importante,

Espero que você seja sempre assim.

Feliz Dia do Professor



Professor Mestre



Ele divide o seu tempo,

Caminha, despertando sabedoria,

é parceiro da alegria de tantos.

Abre portas de um novo amanhã,

Questiona a vida e desperta uma realidade.

Nas fórmulas, de raciocínios e regras.

Mestre!

Que estende a mão,

tem o diálogo da nova caminhada

para a aventura da vida.

Faz germinar a missão de ensinar não só letras,

Mas, paz, esperança, solidariedade e coragem,

Para um novo amanhã que virá.

Um exemplo para vencer na vida.

As lições permaneceram: alguém que superou a dor,

que foi lembrança, razão e o progresso,

superando o cansaço a preocupação.

Apenas uma luz, em suas mãos, um livro, uma pintura.

Em seu olhar, a alegria de uma poesia.

Feliz dia 15 de outubro, Dia do Professor!



15 de Outubro - Hoje é o seu dia!



Penso que esta é a oportunidade ideal para agradecer por tudo aquilo que o você faz por mim, por tudo o que me ensina em aula e, também, por tudo de bom que a sua postura séria, honesta e ética sugere a mim e a todos os meus colegas de classe.

Acredito que a sua vida seja bastante complicada, com tantas coisas a ensinar, com tantas provas a corrigir, com toda a preocupação em saber se os seus ensinamentos foram assimilados... creio que sejam poucas as profissões que exijam tanto de alguém como o magistério, pois a sua tarefa não termina quando o sinal sonoro indica o fim da aula, e isso torna a sua função um verdadeiro sacerdócio, não é?

Sei que às vezes não sabemos reconhecer o seu esforço e a sua dedicação e, assim, peço-lhe desculpas em meu nome e em nome de meus colegas também. Não é por mal, acredite! Mas, este dia me parece uma boa oportunidade para que todos nós façamos uma promessa para nos comportarmos melhor durante as aulas, para sermos mais atentos, e para retribuirmos a sua dedicação com a nossa dedicação.

A gente ouve dizer que a vida do professor é muito sacrificada: muito trabalho, muito estresse, pouco respeito e pouco dinheiro... No entanto, quero que esta cartinha toque o seu coração e a sua mente como uma luzinha no fim do túnel, como uma renovação desta sua esperança latente de que, um dia, finalmente, o mundo saberá reconhecer o valor das suas palavras, da sua abnegada dedicação, do seu árduo, nobre e sagrado trabalho. Eu já estou fazendo isso, acredite!

Com admiração e gratidão,



Feliz Dia Dos Professores


Mestre,

É assim que posso te chamar.

Pois você me ensinou tantas coisas,

Ajudou-me dar tantos passos.

Talvez você ache que apenas fez o básico,

Mas para mim você fez o essencial para

Que eu pudesse dar meus passos firmes.

Você me ensinou que cada pergunta

Pode ter mais de uma resposta,

E que a resposta a escolher é aquela

Que mas nos faz bem.

Você foi mais que um professor,

Foi um amigo, foi meu guia...

E sei que isso não é possível de se esquecer.

Te desejo...

Feliz Dia Dos Professores!!!




Agradecimento escolar



Quão importante torna-se a Escola ...

Nossa segunda casa, onde encontramos pessoas que farão parte de nossas vidas para sempre...

Desde a cozinheira, no preparo da merenda, da faxineira, que com cuidado arruma a sala que utilizamos, as pesoas da secretaria, enfim, todos os funcionários que trabalham para concretizar nossos sonhos escolares em realidade e vida.

Direção, funcionários e professores, que efetivamente se preocupam em construírem pessoas mais solidárias, autênticas e felizes; se preocupam com todos os passos que percorremos e como trilhamos nossos caminhos...

Escola, casa sagrada; que conduz mentes humanas a serem mais fortes e perseverantes, a construírem novas formas de vida e escolha.

Agradecer a Escola (Direção, Funcionários e Professores), é agradecer a pessoas que lutam por uma sociedade mais soberana!

Felizes somos por termos a Escola!


Dia do Professor e da Professora.

Frase Professor:"Sua tarefa é cuidar que o aluno aprenda. Sua glória é o aluno que sabe pensar". (Pedro Demo)

Frase Professor:"O verdadeiro professor defende os seus alunos contra a sua própria influência".

Amos Alcott



Frase Professor:" O professor é aquele que faz brotar duas idéias onde antes só havia uma". (Elbert Hubbard)

Frase Professor:"O professor se liga à eternidade. Ele nunca sabe quando cessa a sua influência".

(Henry Adams)

Frase Professor: “O professor pensa ensinar o que sabe, o que recolheu nos livros e da vida, mas o aluno aprende do professor não necessariamente o que o outro quer ensinar, mas aquilo que quer aprender”.(Affonso Romano de Sant’anna)

Frase Professor: Àqueles que nos ensinaram muito mais que teorias, que nos preparam também para vida, todo o nosso carinho e gratidão.

Frase Professor: "O nosso carinho e gratidão, a vocês, que além de transmitir seus conhecimentos e suas experiências, souberam apoiar-nos em nossas dificuldades."

Frase Professor: Nosso agradecimento por repartir seus conhecimentos, colocando em nossas mãos as ferramentas com asas quais abriremos novos horizontes, rumo à satisfação plena dos ideais humanos e profissionais."

Frase Professor: "Nossa gratidão àqueles que fizeram do magistério um ideal, mesclando a arte de ensinar com o dom da convivência, tornando-se nossos amigos e transmitindo suas experiências que grandemente ajudaram na nossa formação".

Frase Professor: Mestre: Homem que ensina; aquele que é versado em alguma ciência ou arte; homem superior e de muito saber, e que serve de ensino ou lição. Nosso muito obrigado àqueles que, ao nos ensinarem as lições do ofício, semearam em nós à vontade de tocar nossa própria música e escolher as notas que nos cabem, com a coragem e a perícia para acreditarmos em nós mesmos.

Frase Professor: Meu mestre e meu guia!

A quem nenhuma coisa feriu, nem doeu, nem perturbou, seguro como um sol fazendo o seu dia involuntariamente, natural como um dia mostrando tudo, meu mestre, meu coração não aprendeu a tua solenidade, meu coração não aprendeu nada e nada, meu coração está perdido.

(Fernando Pessoa)



Frase Professor: "A imortalidade de que se reveste a natureza humana

Faz o homem sempre presente.

Presente pela amizade que conquistou;

Presente pelo exemplo que legou;

Sempre presente porque “educou.”

Michel Wolle



Frase Professor: Àqueles que quando deveriam ser simplesmente professores, foram mestres, nos transmitindo seus conhecimentos e experiências; que quando deveriam ser mestres foram amigos e em sua amizade nos compreenderam e nos incentivou a seguir nosso caminho, expressamos os nossos maiores agradecimentos e o nosso profundo respeito, que sempre serão poucos diante do muito que foi oferecido “.

Frase Professor: Professor é o sal da terra e a luz do mundo.

Sem vós tudo seria baço, e a terra escura.

Professor, faz de tua cadeira a cátedra de um mestre.

Se souberes elevar teu magistério, ele te elevará à magnificência...

... Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Melhor professor nem sempre é o de mais saber e, sim, aquele que, modesto, tem a faculdade de manter o respeito e a disciplina da classe.

Cora Coralina



Frase Professor:"Vocês que plantaram um dia a semente do conhecimento em nós, a verão brotar e gerar, no futuro, cada vez mais plantios e proveitosas colheitas com frutos de reconhecimento e valorização pelos atos de amor e dedicação na arte de ensinar."

Frase Professor: Agradecer é admitir que houve um minuto em que se precisou de alguém.

Agradecer é reconhecer que o homem jamais poderá lograr para si o dom de ser auto-suficiente.



Frase Professor: Aos nossos mestres que nos convidaram a voar em sua sabedoria, mesmo sabendo que este voar dependeria das asas de cada um de nós.



Frase Professor: Aos nossos mestres que, pela sua presença, marcaram nossa vida e em um simples gesto ou até mesmo num olhar transmitiram-nos palavras.

A vocês, o nosso simples, mas eterno obrigado.



Verdades da Profissão de Professor

Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.

A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.

(Paulo Freire).

Dia da Professora:



Frase de dia da Professora: Querida professora, uma coisa eu aprendi logo: respeitá-la. No Dia do Mestre, o meu carinho


Frase de dia da Professora: A Diretoria do ............. dedica, com estas flores, uma homenagem especial pelo empenho de seu Corpo Docente, credor de estima muito acima dos valores materiais.


Frase dia do Professor: Para o Mestre dos velhos tempos, uma lembrança neste dia que é todo seu.

Frase dia do Professor: Por suas lições e seus exemplos, nosso agradecimento. Da Turma......... Feliz dia do professor!


Frase de dia da Professora:À Mestra que vem iluminando o meu caminho, ofereço-lhe estas flores e o meu agradecimento. Vida o Dia do Mestre!


Frase dia do Professor:Já lhe disseram que ensinar é a mais nobre das missões. E eu lhe digo que você é um professor muito especial e, por isso, merece flores especiais.


Frase dia do Professor: Nossa homenagem pelo seu exemplo magnífico e pelo carinho com que orienta a nossa filha........

Frase de dia da Professora: Professora, fada milagrosa que ilumina os caminhos da nossa infância. Parabéns pelo Dia do Mestre!

Frase de dia da Professora: Sua missão é árdua, mas tem a grata recompensa de saber que cada coraçãozinho a ama.


Frase dia do Professor: Ao querido Mestre............., o seu eterno aluno....que até hoje ainda vive as suas lições. Feliz dia dos Professores!

Dia do professor: a história da comemoração

Por Daniele Moraes

Comemorado mundialmente no dia 5 de outubro, no Brasil o “Dia do Professor” é festejado em 15 de outubro. Instituído nacionalmente por meio do decreto Nº 52682, assinado pelo então Presidente da República João Goulart, em 1963, a data já era comemorada havia muito tempo. O primeiro registro histórico da celebração dada de 14 de maio de 1930, quando a III Semana da Educação, realizada na cidade de Bragança Paulista (interior de São Paulo), institui em seu programa de atividades o “Dia da Escola”.

Apesar da longa história em torno do Dia do Professor, poucos conhecem a origem desta homenagem e tão pouco as razões da definição da data. Tudo começou nos anos 30, quando diversas iniciativas foram tomadas por grupos de professores católicos. Comemorações como a festa do “Nosso primeiro Mestre”, lançada pela Associação de Professores Católicos do Distrito Federal (então, no Rio de Janeiro) ou o “Dia da Mestra”, instituído também no Rio pelo Departamento de Ensino Primário.

O 15 de outubro foi escolhido originalmente por ser a data evocatória de Santa Tereza d’Ávila. A santa, nascida em Ávila, na Espanha, e falecida em 1582, foi associada aos docentes por serem em sua maioria mulheres (e católicas). Além disso, Tereza d’Ávila também era conhecida pela notável inteligência, comparada, em seu tempo, a dos doutores da Igreja, e reconhecida por títulos religiosos e como “Padroeira dos Professores”.

No início da década de 30, as primeiras comemorações já aconteciam, mas sem grande repercussão, quando, em artigo publicado no “Jornal de São Paulo” (de 10 de outubro de 1946), o professor Alfredo Gomes (ex-presidente da Associação Paulista de Professores Secundários e da Sociedade Beneficente de Professores e Auxiliares de Administração e também diretor de entidades de classe como a União de Professores de Educação e Ensino e Associação Paulista de Educação) lança a Campanha pela oficialização do “Dia do Professor” a 15 de outubro, no Estado de São Paulo.

A Campanha esclarecia que, além da associação religiosa, a data possuía riqueza histórica. Afinal pode-se dizer que neste dia foi instituído o ensino público no Brasil, por decreto Imperial de D. Pedro I, em 1827. O referido documento assinado pelo Imperador ordenava a criação de escolas de “primeiras letras” (alfabetização) em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império.

Em 1947, formou-se, então, a “Comissão Pró-Oficialização do Dia do Professor”, com intensa atividade de mobilização no Ministério da Educação, na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo e na Secretaria de Educação. Em 13 de outubro de 1948, o Projeto foi transformado na Lei estadual nº 174.

A conquista paulista correu o País e quase todos os Estados aprovaram leis instituindo o feriado escolar do Dia do Professor em 15 de outubro. A partir daí, iniciou-se o trabalho pelo reconhecimento nacional da homenagem, por meio de decreto federal.

Em um trecho do Memorial enviado ao Ministro da Educação, solicitando a declaração de feriado escolar nacional, o professor Alfredo Gomes argumentou: “Se o professor é o generoso semeador de idéias que permitem o conhecimento da vida e acendem, no espírito, o sagrado fogo da esperança; se ele é quem faz e estimula vontades e caracteres; se é ele fator primacial na formação moral e intelectual das novas gerações, torna-se elementar ato de justiça e reconhecimento, homenagear sua missão pelo muito que representa para a Cultura e para a própria Nacionalidade”.

Finalmente, apenas em 14 de outubro de 1963, a data foi reconhecida nacionalmente. Passados quase 60 anos da primeira Lei estadual que instituiu a comemoração, podemos notar que o sentimento que motivou grandes educadores a lutar pelo reconhecimento do professor guarda incríveis semelhanças com as lutas atuais, sempre no anseio de contribuir com o desenvolvimento e o fortalecimento do Brasil.

Destacando seu idealismo, em ofício enviado ao Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, o professor Alfredo Gomes exalta novamente a docência, refletindo: “Que é o professor, senão símbolo, senão exemplo? Símbolo da abnegação, exemplo de vocação humanitária! Símbolo da renúncia, exemplo da paciência! Símbolo do sacrifício, exemplo de heroísmo! Símbolo de amor, exemplo de consciência! Símbolo do sentimento, exemplo de idéias! Símbolo tranqüilo, exemplo de modéstia! (...) Benfeitor de gerações que se sucedem, da pátria que prospera, da humanidade que segue seu destino em busca de felicidade!”.

Hoje, quando enfrentamos tantas adversidades e quando nos deparamos com quantos desafios e dificuldades, é reconfortante conhecer essa história, que resgata o orgulho do profissional e ressalta o valor individual de cada trabalhador e a força coletiva de nossos educadores. A luta é árdua, mas o legado é inestimável.

Parabéns companheiros!

O Dia do Professor como Feriado Nacional

Brasil

No Brasil, o Dia do Professor é comemorado em 15 de outubro.

No dia 15 de outubro de 1827 (dia consagrado à educadora Santa Teresa de Ávila), Pedro I, Imperador do Brasil baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil. Pelo decreto, "todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras". Esse decreto falava de bastante coisa: descentralização do ensino, o salário dos professores, as matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e até como os professores deveriam ser contratados. A ideia, inovadora e revolucionária, teria sido ótima - caso tivesse sido cumprida.

Mas foi somente em 1947, 120 anos após o referido decreto, que ocorreu a primeira comemoração de um dia efetivamente dedicado ao professor.

Começou em São Paulo, em uma pequena escola no número 1520 da Rua Augusta, onde existia o Ginásio Caetano de Campos, conhecido como "Caetaninho". O longo período letivo do segundo semestre ia de 1 de junho a 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias em todo este período. Quatro professores tiveram a idéia de organizar um dia de parada para se evitar a estafa – e também de congraçamento e análise de rumos para o restante do ano.

O professor Salomão Becker sugeriu que o encontro se desse no dia de 15 de outubro, data em que, na sua cidade natal, Piracicaba, professores e alunos traziam doces de casa para uma pequena confraternização. A sugestão foi aceita e a comemoração teve presença maciça - inclusive dos pais. O discurso do professor Becker, além de ratificar a idéia de se manter na data um encontro anual, ficou famoso pela frase " Professor é profissão. Educador é missão". Com a participação dos professores Alfredo Gomes, Antônio Pereira e Claudino Busko, a idéia estava lançada.

A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto definia a essência e razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".

Índia

5 de setembro é o Dia do Professor na Índia. É o dia de nascimento do ex-presidente e professor indiano Dr. Sarvapalli Radhakrishnan. Quando o Dr. Radhakrishnan tornou-se o presidente da Índia em 1962, alguns de seus alunos e amigos se aproximaram dele e lhe pediram para permitir que eles comemorassem seu aniversário no dia 5 de setembro. Em resposta, o Dr. Radhakrishnan disse, "Ao invés de comemorar o meu aniversário separadamente, eu ficaria mais orgulhoso se o dia 5 de setembro fosse marcado como o Dia do Professor."

Ele não é um feriado na Índia. É considerado um "dia comemorativo", onde professores e estudantes vão para as escolas como de costume, mas as atividades habituais e de classe são substituídas por atividades de celebração, agradecimentos e recordações. Em algumas escolas neste dia, a responsabilidade de ensinar é deixada por conta dos alunos das séries mais avançadas como uma avaliação por seus professores.

Tradicionalmente, as pessoas na Índia têm tido grande respeito e estima pelos professores. Um antigo ditado indiano (geralmente ensinado para as crianças), coloca o professor em terceiro lugar: "Maata, Pitha, Guru, Daivam", significando a mãe, o pai e o professor é Deus. Há um outro ditado na forma de uma parelha de versos (doha), que diz, "Guru Govind doou khare kake lagon paai? Balihari guru aap ki Govind deeo batai," significando "Eu estou em dificuldade de saber quem saldar primeiro: o professor ou o Deus. Eu escolherei o professor porque ele é um instrumento da sabedoria de meu Deus". Ainda, um ponto central na escritura Hindu mostra "Guru Bramha, Guru Vishnu, Guru devo Maheshwaraha - Gurusakshath parabramha tasmai shree gurve namaha", que se traduz como "O professor é a santíssima trindade. O professor é a manifestação do próprio senhor".

Malásia

16 de maio é o Dia do Professor (malaio: Hari Guru) na Malásia.

Turquia

O Dia do Professor (em turco: Öğretmenler Günü) é comemorado em 24 de novembro na Turquia. O dia 24 de novembro foi dedicado aos professores por Kemal Atatürk. Atatürk achou e declarou que aquela nova geração seria criada por professores. (turco: "Öğretmenler yeni nesil sizin eseriniz olacaktır." - M. Kemal Atatürk)

O Dia do Professor comemorado em dias úteis

Albânia

Na Albânia, o Dia do Professor é um feriado não oficial em 7 de março, um dia antes do Dia das Mães (8 de março).

China

O Dia do Professor foi primeiramente instituído na Universidade Central Nacional em 1931. Foi adotado pelo governo central de Taiwan em 1932 e em 1939 o dia foi transferido para 28 de setembro, que é o dia do aniversário de Confúcio. Foi extinto pelo governo da República Popular da China em 1951 e restabelecido em 1985 sendo que o dia foi novamente mudado para 10 de setembro. Atualmente mais e mais pessoas estão fazendo esforços para retornar o Dia do Professor para o dia de nascimento de Confúcio.

República Tcheca

Na República Tcheca, o Dia do Professor (Den učitelů) é um feriado não oficial, comemorado em 28 de março, aniversário de Jan Ámos Komenský (Comenius). As crianças levam flores para seus professores. Representantes do governo utilizam este dia para demonstrar agradecimento a esta profissão e premiar os melhores professores.

Irã

O Dia do Professor no Irã é comemorado em 2 de maio (Ordi,behesht 12, no calendário iraniano).

América Latina

O Dia Internacional do Professor na América Latina é 11 de setembro, em comemoração ao dia da morte de Domingo Faustino Sarmiento, um político argentino e pedagogo respeitado. Esta data foi estabelecida na Conferência Interamericana sobre Educação de 1943, no Panamá.

Muitos países latino-americanos, porém, têm uma data separada para comemorar o Dia do Professor de acordo com acontecimentos de sua própria história. No Brasil, o Dia do Professor é 15 de outubro. No México, em setembro de 1917, o Congresso Federal decretou o dia 15 de maio como Dia do Professor (Día del Maestro). No Peru, o Dia do Professor é comemorado em 6 de julho.

Polônia

Na Polônia o Dia do Professor (Dzień Nauczyciela), ou Dia da Educação Nacional (Dzień Edukacji Narodowej) é 14 de outubro. Nesse dia a Komisja Edukacji Narodowej (Comissão de Educação Nacional) foi criada em 1773.

Rússia

Na Rússia o Dia do Professor é 5 de outubro. Antes de 1994, esse dia era comemorado no primeiro domingo de outubro.

Cingapura

Em Cingapura, o Dia do Professor é um feriado oficial escolar, comemorado em 1 de setembro. As comemorações são geralmente realizadas no dia anterior, quando os estudantes têm metade do dia livre.

Eslováquia

Na Eslováquia, o Dia do Professor (Deň učiteľov) é um feriado não oficial, comemorado em 28 de março, aniversário de Jan Ámos Komenský (Comenius).

Coréia do Sul

Na Coréia do Sul o Dia do Professor (스승의 날) é 15 de maio. Nesse dia, os professores são geralmente presenteados com cravos por seus alunos e ambos desfrutam de um dia escolar mais curto. Ex-estudantes prestam seus respeitos aos seus antigos professores visitando-os e oferecendo-lhes presentes. Atualmente muitas escolas por todo o país suspendem suas aulas para comemorarem esta data.

Taiwan

Na República da China (Taiwan) é comemorado em 28 de setembro. O dia presta homenagem às virtudes, às dificuldades dos professores e também as suas contribuições não apenas em relação aos seus próprios alunos, mas também para com toda a sociedade. As pessoas geralmente aproveitam o dia para expressar sua gratidão aos seus professores, tais como lhes fazendo uma visita ou enviando-lhes um cartão. Esta data foi escolhida por comemorar o nascimento de Confúcio, que se acredita ter sido o modelo de mestre e educador da antiga China.

Em 1939, o Ministério da Educação estabeleceu que o feriado nacional seria em 27 de agosto, atribuído ao dia de nascimento de Confúcio. Em 1952, o governo o mudou para setembro, alegando ser esta a data correta pelo Calendário gregoriano.

O festival comemorativo acontece nos templos de Confúcio espalhados por toda a ilha, conhecido como a "Grande Cerimônia Dedicada a Confúcio" (祭孔大典). A cerimônia acontece às seis horas da manhã com batida de tambores. 54 músicos vestindo roupões com cintos azuis, 36 (ou 64) dançarinos vestidos de amarelo com cintos verdes. Eles são conduzidos pelo chefe descendente de Confúcio (atualmente Kung Te-cheng) e acompanhado por oficiais do cerimonial. Três animais -- a vaca, a cabra, e o porco -- são sacrificados. A pelagem retirada desses animais sacrificados é chamada de Cabelos da Sabedoria.

Além disso, institutos locais de educação e órgãos civis oferecem prêmios a determinados professores por suas influências excelentes e positivas.

Tailândia

16 de janeiro foi adotado como o Dia do Professor na Tailândia por uma resolução do governo em 21 de novembro de 1956. O primeiro Dia do Professor aconteceu em 1957.

Estados Unidos da América

Nos Estados Unidos da América, o Dia do Professor é um feriado não oficial na terça-feira da primeira semana de maio.

A Associação de Educação Nacional (National Education Association) descreve o Dia Nacional do Professor como "um dia para homenagear os professores e reconhecer todas as contribuições duradouras que eles realizam em nossas vidas".

A Associação apresenta uma história do Dia Nacional do Professor: A origem do Dia do Professor não é precisa. Por volta de 1944 um professor de Arkansas Mattye Whyte Woodridge começou a se corresponder com líderes políticos e educacionais sobre a necessidade de se ter um dia nacional para homenagear os professores. Woodbridge escreveu para Eleanor Roosevelt que em 1953 convenceu o Congresso dos Estados Unidos a proclamar o Dia Nacional do Professor.

A Associação juntamente com seus estados afiliados Kansas e Indiana e Dodge City (Kansas) pressionaram o Congresso para criar um dia nacional para os professores. O Congresso declarou 7 de março de 1980, como o Dia Nacional do professor apenas para aquele ano.

A Associação de Educação Nacional e seus afiliados continuaram a comemorar o Dia do Professor na primeira terça-feira de março até 1985, quando a Associação Nacional de Pais e Professores estipulou a Semana de Avaliação do Professor na primeira semana de maio. A Assembléia Representativa da Associação de Educação Nacional então votou para que se fizesse na terça-feira daquela semana o Dia Nacional do Professor.

A partir de 7 de setembro de 1976, foi adotado o Dia do Professor em 11 de setembro no estado de Massachusetts.

Vietnã

No Vietnã, o Ngày nhà giáo Việt Nam (Dia do Educador Vietnamita) cai em 20 de novembro. Naquele dia, os estudantes têm o dia livre, mas se espera que eles visitem seus atuais e antigos professores em suas casas e lhes levem flores para demonstrar sua consideração.